Desesterro: trecho

Fátima não tinha nem uma moeda quando foi até a rodoviária pela primeira vez perguntar onde é São Paulo, como faz para chegar. Na ida passou depressa pela janela do louco, feito diabo fugindo da missa, pra não ver sua pele larga, o braço faltando, suas feridas. Do lado dele uma coleção de santinhas. Na volta encontrou o louco enfurecido, socando com força o pinto dentro da mão o pinto Deus que lhe perdoe, chamando vem cá minha cabritinha.

Quando de novo foi até a rodoviária, sem dinheiro certo, ela sabia, passou bem devagar diante do louco, devagarzinho para bem ver suas feridas. O louco só dizia vem cá vem cá minha cabritinha, e a Fátima ficou vendo a pele exposta o pus a chaga, a Fátima ficou vendo a carne à mostra a parte que não tinha, a Fátima quis chegar mais perto e o louco vem cá vem cá minha cabritinha.”
Ela saiu correndo se meter no banheiro da rodoviária. Ficou lá bem uma hora, esfregando na quina do móvel encardido tudo o que podia ela esfregava enfurecida no louco encardido, não parava de pensar naquelas feridas, Deus que lhe perdoe, gostoso demais. Já pensou abrir tudo chaga ferida, já pensou estourar a carne lamber o sangue partes escondidas. gostoso Gostoso demais, dá até lombriga.

Continue reading “Desesterro: trecho”

Anúncios