Procura-se histórias

ossos da fala

A memória e a morte têm misteriosos jeitos de habitar nossa vida. De repente, a morte. A saudade. A lembrança dolorosa, levantada com o cheiro da chuva. Com a melodia que uma voz costumava cantarolar. De tudo, fica a vontade de lembrar e o medo de esquecer. Um rastro da morte ecoando na vida. Fica a vontade de esquecer a morte, de vencê-la irremediavelmente.

Fica uma carta com selo de longe. Um pingente. A faixa 3 de um disco ainda guardado. A carteirinha escolar, com a fotografia tirada ao lado do globo terrestre. Uma concha recolhida no caminho do mar. Um laço de cabelo, uma mecha ou um cheiro. Um riso captado pela superfície fotográfica. Um sonho constante. O que faz você lembrar quem já se foi? O que faz quem já se foi nunca ter ido completamente?

O projeto de web documentário “É osso – ausências que a morte cava, presenças que a imagem inventa”, aprovado pelo Rumos Itaú Cultural 2012-14, está procurando pessoas para contar histórias sobre memória e morte. O objetivo é fazer um pequeno inventário sensível de formas de lembrar e de esquecer, através de histórias em que objetos ajudam os vivos a lidar com a ausência cavada pela morte.

Se você tem uma história, ou conhece alguém que tenha, sobre a relação que estabelecemos com pequenos objetos – fotografias, lenços, cartas, o que quer que seja – que ajudam a lembrar quem já se foi, não deixe de participar! Queremos muito ouvir sua história! Se você quiser contá-la, e assim colocá-la no caminho de mais uma forma de lembrar, responda algumas perguntas no formulário de pré-seleção e logo entraremos em contato.

Para saber mais sobre o projeto, visite o blog Osso da fala.

Anúncios